Atravessando o inferno em Jim Power: The Lost Dimension 3D (SNES)

Saudações aos leitores.

Falarei no post de hoje sobre aquele que deve ser um dos games mais difíceis da história dos games (exceto talvez por aquelas modificações infernais que rolam na internet): Jim Power: The Lost Dimension in 3D (o nome é sério, o cartucho vinha com óculos para 3D). Após o link descreverei a minha experiência que tive com essa pedreira. Avante, amigos.

Lançado em 1993, Jim Power (não vou ficar escrevendo o nome inteiro toda hora) não é um jogo original, e sim um remake de um jogo lançado originalmente um ano antes para diversas plataformas como Amiga, Atari e PC Engine. Essas versões antigas era retardamente difíceis devido aos péssimos controles e a um game design feito com o intuito de sacanear o jogador. Aliás, há mais sobre essas versões aqui. Para o SNES o jogo foi inteiro refeito, com gráficos melhores, uma trilha sonoral sensacional e gameplay deveras melhorado, porém a dificuldade filha da puta permeneceu. E é aí que justamente reside o, digamos, charme do jogo.

Jim Power é um daqueles raros jogos que não tem a menor vergonha de te detonar logo de cara, de jogar na sua cara que você é fraco demais para encarar o desafio. A maior prova disso foi o fato de que eu precisei de 35 vidas para passar apenas da primeira fase.


Percebam que terminei sem nenhuma vida, e novamente, é a primeira fase…

E por que esse jogo é tão complicado? Bem, explico rapidamente falando sobre o jogo:

Jim Power é um “plataformer” e/ou “run and gun”, ou seja, na maior parte do jogo você pulará plataforma e atirará nos mais diversos e lisérgicos inimigos, como soldados romanos de bermuda, cachorros cor de rosa, dragões mecânicos e até um alienígena gigante com short atochado. O problema é que apesar do “Power” no sobrenome, Jim morre com qualquer contato, sem choro nem vela. E ainda por cima o jogo pune aqueles jogadores mais apressados, ao posicionar inimigos perto de limites de tela, deixando o jogador sem qualquer possibilidade de uma reação. É como se o jogo fosse desenhado pelo Sergio Mallandro, que sempre que pode coloca um “PEDADINHA DO MALLANDRO, RÁÁÁÁÁ!!!”, e você perde uma vida no susto. Somado a isso há plataformas super rápidas que exigem alto grau de precisão nos saltos.


Até o frame do Youtube mata o pobre Jim…

Ainda sim, após seguidas cacetadas eu consegui não só passar dessa fase como superar o lisérgico chefe e enfim chegar à segunda fase.

O design muda completamente para um esquema à lá Contra 3, com o jogador controlando o avatar com a câmera “de cima”, e rotacionando o cenário com os botões L e R. Aqui o famoso Mode 7 entra em ação, e o jogador tem que se virar para passar por inimigos genéricos, buracos e espinhos. E como não podia deixar de ser, o pobre jogador tem que passar por três andares não só difíceis como meio desorientantes, pois eu ficava meio perdido com todos os giros que você precisa executar para ir passando pelos desafios. E ainda sim, com muito amor no coração, eu cheguei lá.

Pra quê…novamente o jogo muda de gameplay, transformando-se no mais brutal “SHMUP” que já joguei em vida. De cara não tive a menor chance de fazer qualquer coisa que não fosse morrer seguidas vezes. Passada a pancadaria inicial, tentei me adaptar àquele meio extremamente hostil, porém não teve jeito. Até consegui chegar no que seria a metade da fase, porém aquilo foi o suficiente para mim. Esse video mostra o que quero dizer:

Por fim…

Considerando a brutalidade do gameplay e do design de Jim Power, até que não fiz feio. Acho curioso que apesar de toda frustração que esse tipo de jogo costuma causar, a alta e até injusta dificuldade me faz tentar ir além até o limite. Terminar é mero detalhe, o interessante mesmo é você testar para descobrir até onde você consegue chegar. Jim Power me divertiu bastante nesse sentido. Se vocês quiserem tentar se aventurar, tem um emulador pronto aqui.

E vou ficando por aqui. E aí, vocês já tentaram encarar uma pedreira parecida?

Até o próximo post.

AvcF – Loading Time.

5 thoughts on “Atravessando o inferno em Jim Power: The Lost Dimension 3D (SNES)

  1. AVCF, recomendo I Wanna Be The Guy Gaiden. Esse tu perde a paciência e joga o controle na parede.
    Ou tentar abrir tudo em The Binding of Isaac

    Sobre o jogo em questão, parece ser bem difícil, mas o que piora a situação é a movimentação do fundo da tela. Isso acaba com sua noção de posicionamento. O que deixa o jogo bem mais difícil.

  2. Esse foi um dois mais, senao, o mais difícil q joguei na minha vida… cheguei apenas na segunda fase.. mas me considero um vitorioso kkkk
    vlw kra. nao lembrava o nome do jogo, chequei aqui pesquisando.
    Só uma pergunta… akele oculos 3D Te dava algum efeito 3D? pra mim nao dava nada. Ainda lembro do manual dizendo q se vc nao tivesse nenhuma sensaçao 3D com o oculos e pq vc fazia parte d 5% da populaçao mundial q nao tinha a sensibilidade 3D kkkkk

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *