Bad Trip: Warlock (SNES/Genesis)

Bad Trip: Warlock (SNES/Genesis)

Saudações aos leitores.

Continuando a sequência de jogos ruins do passado, falarei sobre outra porcaria da era 16-bits, Warlock, um jogo de ação e plataforma originalmente lançado entre 1994 e 1995. Não conheciam? Bem, normal, já que “obscuro” é um adjetivo apropriado para esse jogo, pois não apenas foi mais um dos inúmeros jogos licenciados lançados pela Acclaim, como também foi baseado em um filme de “terrir” de 1989 que ninguém assistiu.

Por algum motivo misterioso, alguém da Acclaim achou que seria uma puta idéia lançar um jogo baseado em um filme desconhecido que já tinha 6 anos, e assim Warlock foi lançado para SNES e Sega Genesis. A “genialidade” do jogo começa já pelo fato de praticamente não explicar nada ao jogador, como se partisse do pressuposto de que o jogador estivesse à par da história do filme, que resumindo a ópera, fala de um druída que viaja no tempo para deter o tal Warlock, antes que esse apronte altas confusões do barulho. Dessa forma, o jogador fica sem saber porquê tem que encontrar seis pedras especiais para poder derrotar o Warlock no final, tornando a experiência de jogo confusa e sem graça.

Falando mais sobre o jogo em si, ambas versões SNES e Genesis apresentam gráficos e sons absolutamente genéricos, desde o protagonista, que mais parece um avatar placeholder, passando pelos inimigos de sempre (caveiras, zumbis, morcegos…), e mesmo os chefes que mais parecem monstros comuns. Os cenários além de repetitivos, ainda foram feitos com uma paleta sempre meio cinza, meio marrom, uma tentativa falha de criar um clima soturno e sombrio.

Quanto ao gameplay, fica óbvio que Super Castlevania IV foi a grande referência, uma vez que o protagonista atira em várias direções (as magias que vocês viram acima), e tem um ataque secundário que devido à péssima programação, é absolutamente inoperante. As situaçòes de plataforming e até puzzles também remetem, ainda que com léguas de distância na competência, ao clássico da Konami. Porém, a marca desse jogo é a frustração e a dificuldade exageradas, frutos de um level design desnecessariamente longo e com pontos com claro excesso de inimigos, medidas talvez com o intuito de disfarçar a curta duração do jogo. Para completar o pacote, uma trilha sonora monótona e que dá a sensação de tocar a mesma música em looping.

Warlock é só mais um jogo que faz parte da vala das porcarias licenciadas da Acclaim, que na mesma época ainda “cometeu” outras porcarias baseadas em filmes ruins, como Bill & Ted’s Excellent Adventure, Judge Dredd e Demolition Man. Talvez daqui uns 300 anos, o tal Warlock tente outra vez.

Até o próximo post.

AvcF – Loading Time.

One thought on “Bad Trip: Warlock (SNES/Genesis)

  1. Também conhecido como “O Demônio do Celso Araão”, segundo o figura abaixo:

    https://www.youtube.com/watch?v=Fxmt4udgC74

    https://www.youtube.com/watch?v=Z_johYjTgN0

    Nunca cheguei a ver o filme (mas me lembro muito bem), e nem a jogar esse jogo aí. Mas que eu me lembre, o Judge Dredd era passável sim, como não?

    AvcF: Precisaria jogar Judge Dredd de novo pra refrescar a memória, mas acho que alguei uma vez e achei uma porcaria. Não era nada no nível dos “melhores” da LJN/Acclaim, mas era um joguim que não animei perder nem meia hora, se não me engano.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *