Briga na feira: a “fase da moto” de Battletoads é mesmo impossível?

Saudações aos leitores.

Recentemente adquiri um cartucho de nada menos do que o clássico da Rare (da época que ela fazia games de verdade, não mini-games toscos de Kinect) Battletoads. Como vocês sabem bem, 10 entre 10 sites de games sempre se referem a esse jogo com epítetos do tipo “o mais difícil de todos os tempos”, ou “impossível” ou mesmo “um jogo filho da p%^&a”. Ainda nesse sentido, normalmente a fase Turbo Tunnel (que cheguei a ver bizarramente referida como Wind Tunnel em alguns lugares) é sempre o primeiro e mais claro exemplo do quão injustamente “impossível” seria Battletoads.

Entretanto, será mesmo que é esse o caso? Pois bem, resolvi separar uns minutos e fazer uma sessãozinha para relembrar esse jogo. Será que arremessei o controle contra a parede? Será que tive um faniquito e depois terminei três games rardecores tomando leite com pêra, para compensar? Tudo após o link.

Como puderam perceber pela imagem acima, esse post será recheado de fotos tiradas direto da minha tevê, pois não disponho de câmera para fazer uma filmagem. De qualquer modo, para não restar qualquer sombra de autenticidade do que fiz aqui, segue uma foto do meu glorioso NES e o cartucho de Battletoads:


Ah sim, aquilo na parte inferior da foto é um VHS


Detalhe para a Dark Queen vesguinha no computador do fundo


Olha a primeira fase aí

Passada a abertura bobinha ao som de surf music, passo rapidamente pelo stage 1, usando um antigo e muito útil warp, que por sua vez consistia em matar os dois primeiros inimigos de fase com uma cabeça e correr para o canto superior esquerdo da segunda tela; tudo em poucos segundos.


O famoso mapa do inferno

Dessa maneira vamos direto ao assunto mais rapidamente. Algo que sempre me faz abrir um sorriso é essa piada logo no começo da terceira fase:

Esses serezinhos verdes aí são ninguém menos que os Space Invaders! Acompanhados de uma musiquinha de suspense, eles roubam os quadrados do life do jogador na maior cara de pau, em um momento de metalinguagem simplesmente sensacional. E isso em 1991. Voltando ao ponto, agora sim começa a bagaça em si, senhoras e senhores, os temíveis jet skis:


Agora não tem mais volta, negada

Agora vamo que vamo. A corrida vai aquecendo aos poucos, com as barreiras bem espaçadas e óbvias, de modo a mostrar ao jogador o desafio que vem pela frente. O jogo mostra alguns padrões de barreiras e logo aparecem as rampas também. Nada demais até aqui.


Para a corrida ficar um pouco menos complicada, o jogo dispoe alguns checkpoints (acho que eram quatro ao todo) como esse aí da foto acima. A fase realmente começa a complicar após, se eu não me engano, o segundo checkpoint, quando tudo fica mais rápido e as sequências envolvem saltos e desvios que exigem reflexos rápidos. E apartir desse ponto que começam uns trechos que são “tretas” para a maioria dos jogadores.

Essa parte costuma tirar muitas vidas dos jogadores, pois essas navezinhas inimigas fogem do padrão encontrado no resto da fase, além do fato de que basta o contato com elas para uma vida ser perdida. Ainda assim, essas parte é até fácil, pois basta ir para a limite superior da tela e ir pulando sobre as navezinhas. Após esse pedaço seguem alguns saltos sobre rampas e outra parte treta da tela, a sequência de saltos precisos.


Como puderam perceber, acabei perdendo uma vida ao tirar essa foto

Esse trecho é realmente muito difícil de ser passado sem que pelo menos uma vida não seja perdida. Entretanto, eu desenvolvi uma manha que tornou essa parte mais fácil, que consistia em decorar a quantidade de saltos que precisam ser feitos – cinco ao todo.

Vencido mais esse pedaço e passando o último checkpoint, chega a terrível e última sequência de barreiras, a mais rápida de todas e que deve ter feito muita gente destruir controles na década de noventa:


Reparem a quantidade de vidas que me restou

Aqui a grande dificuldade é pegar o timing para desviar das barreiras que passam em grande velocidade pela tela. Novamente o grande macete aqui é pescar a lógica da coisa. Nessa parte as barreiras aparecem sempre na mesma sequência de cima-baixo, bastando então dar toques rápidos no direcional para descer e subir o jet ski. É bem metódico, bastante mecânico mesmo. Dessa maneira, passei essa sequência DE PRIMEIRA (sim, tô pagando de bonzão mesmo). O que é realmente tenso nesse pedaço é um ridicularmente rápido warp que surge em uma das barreiras, obrigando a uma arriscadíssima manobra para pegá-lo. Até tentei algumas vezes depois, mas ainda não peguei o timing correto para isso. De qualquer forma, passado esse que é o momento mais tenso da fase, tem só mais uma sequência bobinha e aí é só alegria.


Ok, vocês cagam tijolos. Agora joguem a mãe também


Aqui eu entrei em uma fria com um sapo muito louco, aprontando altas confusões em uma fase de gelo que é de arrepiar

Derrubado um mitinho

Sério, nem foi tão difícil assim. Precisei de pouco mais de quarenta minutos para algo que muito por aí talvez chamassem de façanha ou algo do tipo. Depois com essa mesma vidinha ainda fechei essa fase e tomei uns ferros na fase das cobras (sem piadinhas, ok?). Terminar um game como Battletoads é sim algo muito difícil de ser feito, mas ao contrário do que o clichê internético diz, nem é algo impossível não. Battletoads é de fato um game hardcore na real concepção da palavra, e é um game difícil mesmo para o padrão dos games de NES, o que comparado com 99% dos games atuais é uma diferença e tanto. Em termos de fodacidade, é como comparar o Chuck Norris com um integrante do grupo Restart.

No modo single player, Battletoads não tem nada de tão injusto, “bugado” ou feito de forma que obrigue o jogador a perder. O que é real nesse jogo é que grau de requerimento dele é de fato muito alto, e o jogo não tem a menor vergonha em punir o jogador. Todavia, com bom reflexo e sobretudo uma muito boa memorização, tudo é superável em Battletoads. Sim, muitas vidas serão mesmo perdidas, mas ao final do processo, o jogador realmente se torna mais forte, por assim dizer. É um caminho tortuoso e cheio de pedras, mas atravessável.

Enfim, amigos, vou ficando por aqui. Tenho uma viagem hoje, mas ainda sim tenho mais alguns posts até antes do ano acabar. Até a próxima.

AvcF – Loading Time.

15 thoughts on “Briga na feira: a “fase da moto” de Battletoads é mesmo impossível?

  1. Como praticamente toda fase difícil dos jogos antigos, requer um pouco de prática e muita decoreba, rzs. O meu problema hoje com esse tipo de jogo é a paciência de ficar tentando fazer a mesma coisa por muito tempo, mas a sensação de conseguir passar essas fases é realmente algo difícil de se ter com os jogos atuais.

  2. Dicas para passar do turbo tunnel:
    Não pegue a warp zone da fase 1, na fase 2 descendo na corda, bata nos corvos repetidas vezes até ganhar uma vida, repita isso e se encha de vidas. Eu sei que é difícil, mas você tem que aprender isso.
    Na parte que aquelas naves ficam ziguezagueando, fique no canto inferior esquerdo, elas até parecem que vão te matar, MAS NÃO SE MEXA !
    Logo à frente vem um ponto de exclamação indicando aqueles pulos entre ilhazinhas sem rampa, permaneça no canto inferior esquerdo, NÃO PEGUE A RAMPA, no momento certo pule sem depender da rampa, a parte de baixo das ilhazinhas tem mais chão, o que diminui suas chances de cair no buraco, USE O DIRECIONAL PARA A ESQUERDA OU DIREITA, adiantando ou atrasando a queda da moto EM CIMA da ilhazinha, NÃO USE O DIRECIONAL PARA CIMA OU BAIXO, seja rápido e pule para a outra ilhazinha e repita isso.
    Mantenha a moto no meio, assim fica mais fácil fazer o ziguezague nas barreiras ultra rápidas do final. Para pegar a warp zone conte 10 obstáculos, e se jogue nele.

  3. Outros tempos, em que os roqueiros eram fodas, os jogos eram fodas, os desenhos eram fodas e os jogadores idem! Orgulho de ter feito parte disso!

    Comentário do AvcF: também era o tempo em que vampiros não brilhavam…

  4. Admito…eu pegava a warp zone, nesse jogo eu agia na trapaça, mas convenhamos que é battletoads, mesmo com essa “vantagem” não tinha como não sofrer em certas partes do jogo, até pegar os dois warps do jogo era difícil.
    Mas realmente se olharmos os jogos atuais, houve uma significativa queda de dificuldade, é bem provável que os jogadores atuais não se interessem por jogos como esse por serem muito difíceis para eles.

  5. Battletoads é terminável sim: mas para conseguir isso é necessário muita dedicação e paciencia…só que não dá pra se basear na fase 3: perto da fase 7,9,10,11 e 12 ela é bico de fácil….XD

    O foda de Battletoads a meu ver é que cada fase tem uma jogabilidade totalmente diferente da outra e ai voce tem aprender a jogar praticamente 12 fases…cada uma de um jeito…

    A fase 3 é isso mesmo que voce disse Avcf: decoreba e na parte final das barreiras que vem rapido é algo quase mecãnico, tem de pegar o tempo pra colocar pra cima e pra baixo…=D

  6. De fato não é o jogo mais difícil da era 16-Bits nem em sonho. Sim, é difícil, mas haviam outros muitissíssimos mais pedreiras.

    Que nem o Strider -Hiryu, que o pessoal alegava a maior dificuldade, mas eu termino brincando (ou quase, visto que a última fase desse é um tanto cruel).

    Mas há 20 anos tínhamos sim uns jogos pedreiríssimos, isso é verdade.

    1. Bom… se eu joguei a versão MEGA DRIVE (16-Bits – e inclusive tinha isso escrito no próprio chassi do bicho), e ali pra 1991 e 1992 (quando a quarta geração – 16 Bits, em sua maioria – era vigente) daí faz sentido o que eu falei. Não tô cagando nada não, e joguei na época. Mas claro, se for da versão NES que estejam falando talvez seu comentário faça algum sentido.

    1. Tenho 39 e adoro vídeo games, tenho um Xbox 360 e um ONE, mas curto muito os games do NES e outros de épocas passadas. Na minha opinião o Battletoads é sim o game mais difícil que já vi, a da fase do jet-sky (ou moto quem preferir), é onde começa a dificultar o game. mas a penúltima, onde vc tem q fugir naquele aparelho q parece um cortador de grama… é arrancar os cabelos, nos meus 13, 14 anos quebrei muitos controles do meu dynavision jogando aquela fase do capiroto. mas consegui zerar o game algumas vezes…

  7. Tó jogando de novo,25 anos depois, tentando passar da penúltima fase a clinger winger. Alguém que já conseguiu passar tem alguma dica pra mim?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *