Cool Vibrations: Sonic the Hedgehog (Master System/Game Gear)

Saudações aos usuários.

Após um bom tempo, volto a abordar um jogo 8-bits aqui no blog, no caso um jogo que mais do que uma mera adaptação, é uma bela amostra de superação de limites técnicos com um game design bem amarrado. Embora Sonic seja absolutamente conhecido por qualquer um que já tenha ligado algum video game na vida, os jogos lembrados são sempre os do Genesis (ao menos quando se fala dos primeiros títulos), com os jogos de Master System e Game Gear tendo sido relegados ao esquecimento. Talvez uma das principais razões para isso seja uma confusão que leve a crença de que os jogos 8-bits sejam meras versões dos Sonics “principais” de Genesis, quando na realidade são games dieferentes. Tratarei dessas diferenças no post de hoje. Avante!

Com o sucesso massivo de Sonic the Hedgehog no Genesis, seria natural que então Sonic protagonizasse mais jogos nas demais plataformas da Sega, tal qual a Nintendo fez com Mario e seus jogos para Game Boy, por exemplo. Foi então que o Master System e o Game Gear puderam ter a chance de receber jogos com o então mascote-astro dos video games. A Sega então estava diante de duas possibilidades, sendo a primeira e mais fácil, que seria portar o jogo do Genesis para as plataformas 8-bits de forma rápida e barata; ou então fazer o que fez, produzir um jogo novo aproveitando o que a versão principal tinha de melhor e adaptar para o que os consoles menores podiam fazer. E ainda bem que a Sega optou por esse caminho, pois o resultado foi o melhor possível.

Para realizar essa tarefa de forma satisfatória mas sem gastar tanto pessoal e recursos necessários para os jogos principais, a Sega terceirizou a produção para uma produtora chamada Ancient, que embora fosse(e ainda seja) desconhecida, era propriedade da família de Yuzo Koshiro, famoso pelas trilhas sonoras de vários sucessos da época. Era um desafio e tanto, mas o fato é que a Ancient fez um trabalho brilhante.

A primeira característica que foi muito bem trabalhada foi a velocidade, pois obviamente o Master System não a podia reproduzir como na versão Genesis, e por conta disso a Ancient criou fases inteiramente novas, aproveitando apenas os temas presentes na versão 16-bits. Como vocês puderam ver acima, ainda sim havia trechos em que o jogador podia correr com Sonic, e no geral o level design não fugia tanto nesse sentido. E por falar nisso, como a velocidade não podia estar tão presente, o foco então passou a ser a exploração, até mesmo porque as chaos emeralds foram espalhadas e escondidas pelas diversas fases presentes no jogo – provavelmente porque a pouca memória não permitiria a presença de mais bonus stages além dos já presentes no jogo. E para que a exploração funcionasse bem, não só as fases tiveram que ser bem desenhadas, como o plataforming teve que ser bem feito, isto é, a posição das plataformas, obstáculos e inimigos foi muito bem pensada.


Para ver o mapa da segunda fase em tamanho maior, clique aqui.

Um ponto interessante de Sonic 8-bits, é o fato de justamente a limitação técnica ter contribuído para liberdade projetual do jogo, o que permitiu elementos inexistentes na versão Genesis, como uma caverna subterrânea (a do mapa acima), um dirigível em vôo ou uma selva, o que terminou por tornar Sonic the Hedgehog muito mais do que uma versão, e sim um jogo original. Além disso, o desafio presente é alto, e bem maior que a do jogo do Genesis, algo que achei ótimo, por sinal. Um exemplo disso são os chefes, que o jogador enfrenta quase sempre sem argolas, o que faz com que apenas um acerto signifique perder uma vida. Errou, dançou, sem choro nem vela.

Por fim, destaco o capricho da produção, com gráficos bonitos, detalhados e bem coloridos, além da ótima trilha sonora. Realmente a Ancient levou o Master e o Game Gear ao limite, tanto que o jogo infelizmente possui vários trechos com queda de quadros, sobretudo quando o escudo de proteção está ativado. Sonic the Hedgehog é praticamente o mesmo jogo no Master System e no Game Gear, cujas diferenças ficam apenas na localização de algumas esmeraldas e um ou outro detalhe gráfico das fases. A maior diferença mesmo é que Sonic foi o último jogo lançado oficialmente para Master System na América do norte, pois a Sega abandonou o console nesse território para focar no Game Gear.

Para quem não quiser apelar para emuladores, a versão Master System está disponível no Virtual Console do Wii (que pode ser acessado via Wii U), enquanto a versão Game Gear está disponível no Virtual Console do 3DS (que também tem os demais Sonics do GG). Seja qual for, recomendo esse jogo fortemente, até porque são até melhores que boa parte dos Sonics atuais (Sonic Colors DS é bem fraco, e Sonic Generations é medíocre, por exemplo). Fica a pedida, até para quem já enjoou de rejogar os Sonics do Genesis.

Abraços e até o próximo post.

AvcF – Loading Time.

2 thoughts on “Cool Vibrations: Sonic the Hedgehog (Master System/Game Gear)

  1. Caramba, joguei muito esse game no master. Eu tinha o Master System 3 compact com esse Sonic na memória. Passava horas por dia jogando, cheguei a terminar coletando todas as argolas. Eu e minhas irmãs anotávamos a pontuação no caderninho que vinha no manual do game, pra ver que fazia melhor que o outro hehe. Sonic 2 pro Master é legal tambem, mas não superou esse de forma alguma.

    E bom saber que alguém concorda comigo em Sonic Generations. Pois sempre que falo que não curti muito o game, surgem milhares de pessoas pra me criticar. Talvez pq o game tenha um aspecto nostálgico, as pessoas o defendam, mas que é bem fraco isso é. As partes do Sonic antigo até que não são ruins, o problema esta no Sonic moderno. Pq diabos a Sega insiste em tratar como dois personagens diferentes, pq não retorna pro verdadeiro Sonic de uma vez, que é o que o publico esta pedindo? Mas não, o que ela faz é investir cada vez mais no estilo “radical” do personagem e o coloca em games medíocres e mal feitos. Eu não acredito mais na Sega, e tenho certeza que Lost World será uma grande porcaria, só de ver os vídeos se nota que a Sega esta cometendo os mesmos erros que fizeram os games anteriores serem tão ruins.

  2. Minha primeira experiência com Sonic foi justamente esse jogo do Master System. Ele é realmente muito mais desafiador do que o do Mega Driva/Genesis (mas o Sonic 2 do Master é ainda mais difícil). Adorava a música do Estágio do Dirigível. A fase da cachoeira era perturbadora pois exigia pulos precisos e raramente te dava uma segunda chance de executá-los. Sinto saudades dessa época de jogos desafiadores e inteligentemente planejados ao invés de gráficos bonitos… Sinal de que estou ficando velho.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *