Game Contraste: Contra Force (NES)

Saudações aos ameríndios.

Em um bate-papo com meu amigo Fernando, relembramos de uma das maiores vergonhas que a Konami cometeu à biblioteca do NES: Contra Force. Pior do que sorvete de chuchu, mais fail do que o carro-bomba de Nova Iorque, esse verdadeiro lixo gamístico será devidamente revirado aqui no Loading Time. Acompanhem.

Tem certas decisões que quando paramos para analisá-las, nós ficamos sem entender nada. O lançamento de Contra Force é certamente uma delas. Originalmente desenvolvido no Japão dob o nome de Arc Hound, não só a Konami pilantramente mudou o nome para Contra como cancelou a versão japonesa. E pior, lançou essa porcaria no mesmo ano do clássico Contra III: The Alien Wars do SNES. Ou seja, investiram tempo e dinheiro em um game destinado a ser um fracasso e que ainda por cima só serviu para queimar o filme da série. De que gênio partiu uma idéia assim? Jamais saberei.

Talvez para amenizar a besteira que foi lançar esse troço, foi produzida a capa engana-trouxa acima. A ilustração é bem feita e propositalmente exagerada na ação, no enquadramento e nas poses tanto dos personagens no plano frontal quanto os que aparecem mais ao fundo. Ao mesmo que temos um céu esfumaçado e carregado no cinza, os prédios em perspectiva com estrutura incompleta e caças voando dão a idéia certa e imediata de que uma guerra está em andamento. Ao mesmo tempo, as cores quentes da explosão do segundo plano e dos personagens à frente da composição criam um contraste interessante. Outro detalhe que merece menção é que o desenho possui três eixos de perspectiva (a do prédio e personagens, a do helicóptero, e dos caças na parte superior), o que cria uma sensação convincente de movimento e intensidade, algo que não costumo ver com frequência em capas de video games. Há apenas um detalhe ridículo: o que diabos, no meio de um conflito bélico com armamento pesado, faz aquele sujeito à esquerda com UMA FACA NA MÃO??? O que o ilustrador pretendeu com isso? Pombas, será que o cara realmente achava que soaria lógico ou “fodão” um personagem com uma faca de cozinha no meio de uma guerra? Diante de caças e helicópteros com bombas e metralhadoras, inimigos com granadas e submetralhadoras, ALGUÉM SE SENTIRIA AMEAÇADO DIANTE DE UM ENERGÚMENO COM UMA FACA GUINSU?

Seja com que nome for, o fato é que Contra Force é uma porcaria em forma de game. Ao invés do ritmo insano e da ação alucinante de todos os outros jogos, CF é lento e burocrático. Aliás, bote lento nisso, pois Force é seguramente o título com a maior quantidade de slowdowns de toda a série. Basta aparecer um mísero inimigo e a progressão já fica prejudicada. Isso também reforça o quanto é enganosa a capicha lá de cima, já que no game de fato não encontramos nem de perto uma situação com a retratada na ilustração. Outra marca da série, a dificuldade, praticamente foi para o espaço em Contra Force, que é fácil e sem graça. Para tentar disfarçar a total falta de profundidade do gameplay, a Konami colocou quatro personagens à disposição do jogador, que inclusive pode trocá-los em qualquer momento durante as fases. O problema é que na prática a diferença entre eles é mínima, o que desmascara o truque. O level design é na melhor das hipóteses medíocre, e muitas vezes basta sair andando e atirando que tá tudo certo, nem é preciso qualquer estratégia. Esse aspecto só melhora com os estágios com a câmera “god view” (aquela vista por cima), no mesmo estilo dos de Super C.

As invencionices de Force também foram lamentáveis. Ao invés da guerra desenfreada contra alienígenas, o esquema aqui é ficar matando soldadinhos genéricos de uma organização terrorista meia boca em uma ridícula missão de resgate (facepalm). Consequentemente, ao invés de se enfrentar ameaçadores monstros gigantes dos outros games, o que temos pela frente como chefes de fase são patetices como o soldado com gigantismo (além da ridícula escala) que vocês puderam ver no video acima. Entre as fases rola um textinho contando a traminha imbecil do jogo, como se alguém se importasse em saber desse tipo de coisa em um game como Contra. Mais inútil que isso só filme pornô com história. Junte todos esses ingredientes ruins com controles duros e menos responsivos do que deveriam ser e temos a receita de um joguete de ação abaixo da média.

Ok, Sabemos que o truque da capa bacana que vende porcarias é manjado, mas nessa situação o truque não funcionou. O fato é que Contra Force foi um fracasso retumbante, praticamente ninguém jogou essa bomba. Até porque o NES tinha um monte de opções melhores.

Felizmente a Konami pode ser perdoada por esse incrível deslize, pois no mesmo ano de Contra Force foi lançado o excelente Teenage Mutant Ninja Turtles III: the Manhattan Project, game de ação muito, mas muuuuito melhor do que CF. Os jogadores de NES fizeram a coisa certa e escolheram a segunda opção, que ficou bem mais conhecida e reconhecida (foi eleito pela EGM americana o melhor jogo de NES em 1992), enquanto Contra Force sumiu em sua merecida obscuridade. Só não se tornou a vergonha mor da série por causa dos constragedores games 3d, mas é facilmente o pior entre os bidimensionais. Em resumo, Contra Force pode ser considerado um game desnecessário. Foi desnecessário para o final de carreira do NES, desnecessário para a série e desnecessário para a Konami. Contra e Super C é que são sim verdadeiros clássicos.

Até o próximo post.

André V.C Franco/AvcF – Loading Time.

12 thoughts on “Game Contraste: Contra Force (NES)

  1. Nunca entendi o fato de ele ser lançado junto com o Contra Spirits (Contra III: The Alien Wars) do Super NES. Pensava na época (em minha ingenuidade): “Peraí, mas se esse do Super NES é o Contra III, essa porcaria pro NES é então o Contra IV???”.

    Só tô à espera agora da “baixação de cacete” dos dois Contras da 5ª geração: Contra: Legacy Of War e C: The Contra Adventure – afinal, eles merecem! 😉

  2. Nossa aquela conversa inspirou você mesmo heim André? haha Contra Force realmente é ruim de mais, pior são os sprites dos soldadinhos generico quando morrem eles mostram a bunda!

    Sem contar esse esquema de PowerUp estilo Gradius que deixou meio chato o jogo.

    Nem parece a mesma empresa que fez Jackal pro NES.

  3. huehuaehueauha é verdade! os kras mortos ficando de ladinho!!!!!! hehehehehe

    nunca joguei e sinceramente, nunca fui tão fã da serie contra… É MUITO DIFÍCIL! >.< eu ia mais longe em yonoid que no contra….. oO'

  4. Eles viram a bundinha – é muito bizarro (levam a expressão “se foderam” – ou “tomaram no cu” – ao pé da letra!!, hahahahahhhhhhh!!!

    Mas reparei que não fosse a velocidade de lesma dos personagens, o “peso” na jogabilidade (correm tão rápido quanto um obeso com desinteria que não sabe pra onde ir) e os freqüentes e abusivos slowdowns, poderia sim ter se tornado mais um clássico nessa série – mas infelizmente, não foi assim. 🙁

    Me lembro que nessa época como o Mega Drive ainda não possuía jogos feitos pela Konami em sua biblioteca, o mais próximo de um Contra que podia-se jogar nesse console era o Midnight Resistance, da Data East – bacanudo até, quem lembra desse?

    Porém um anos após isso joguei o Contra Spirits (Contra III: The Alien Wars nos E.U.A.) e o considerei 9e se bobear, ainda o considero) o melhor Contra de todos os tempos.

  5. TMNT 3 foi lançado esse ano? Sim realmente, isso perdoa essa atrocidade. Eu joguei uma vez, unha na locadora perto de casa, fui pela capa mesmo, mas eu era novinho hehe, pirava nas capas kkkkkkk. Eu gostva muito de Contra, eu tinha um cartucho de 1000 in 1 do Snes que continha o 300 versões de Contra. Nunca zerei, dificil pacas, mas curtia demais.

  6. Contra é uma série clássica, mas este daí… ainda bem que eu nem sabia que existia esse lixo, conheci a série no maravilhoso Contra 3: The Alien Wars para SNES pense num jogo irado!! A evolução na série foi como do som mono pro dolby!! um pulo e tanto, ação do começo ao fim num mundo apocalíptico, bala pra todo lado e músicas perfeitas.

  7. Nossa, vasculhou o lixo dessa vez para achar esse jogo einh! xD

    Sempre achei Contra difícil, mas no NES eu achava o Turrican mais difícil.

    Mas foi numa dessa (acreditar no nome e na capa/contra-capa do jogo) que eu peguei Contra 3D para Saturn… ¬¬”

  8. Eu joguei esse jogo. O slowdown atrapalhava muito. É como tentar jogar um jogo de FPS atual com uma placa de vídeo ruim e morrer toda vez que há um forte efeito de luz ou sombra.

  9. Será que o Avcf não vai fazer um artigo sobre o Contra Rebirth? garanto que eu (e boa parte de vocês) adoraria ver como iria ficar…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *