Game Contraste: Spider-Man: Return of the Sinister Six (NES/Master System/Game Gear)

Saudações aos desafortunados.

No segundo Game Contraste do ano, voltamos a era 8-bits para comparar a qualidade de mais um joguete contra a sua capa. Se vocês olharem os logos na parte inferior da ilustração já devem ter percebido a encrenca que será. De uma forma ou outra, vamo que vamo.Tudo após o link.

Se no mundo dos games existiu uma empresa mestra na arte de enganar os jogadores, essa foi a Acclaim. Dona de um portifólio vergonhosamente ruim, ela sempre dava um jeito de tapear os jogadores, fazendo-os acreditar que tinham um grande game em mãos. Mesmo que essa sensação só durasse até o console ser ligado. Até chegou ao ponto de criar sub marcas só para poder lançar mais lixos por ano. Quem era jogador na era NES deve ter sido enganado algumas vezes pelos joguetes de uma tal LJN, com aquele loguinho morfético de arco-íris. Com grandes marcas estampando as capas, que garoto não ficaria tentado ao menos em alugar aqueles joguetes sem vergonha? Esse foi o meu caso, quando me deparei com Spider-Man: Return of the Sinister Six, e o coloquei para rodar no meu NES.

O Homem Aranha sempre foi e provavelmente sempre será um super herói popular, especialmente com a molecadinha. Aí, numa dessas de dar um rolê na locadora, me deparo com a capitcha aí acima. Não me lembro exatamente quando foi, mas para completar a desgraça, eu tinha uma revista Video Game com um detonado completo do jogo, o que reforçava a impressão de que seria um troço divertido. Mas a arte da capa é realmente excelente, uma ótima vendedora do produto. Ao invés de partir daquela construção cliché de colocar o herói correndo ou saltando frontalmente, com os vilões atrás fazendo cara de malvado, optou-se por um close da icônica máscara do Homem Aranha em um ângulo que sugere o herói curvado para frente. Uma idéia bem legal foi colocar os seis vilões do título dividos entre os dois olhos da máscara, o que cria uma tensão, como se o Homem Aranha tivesse de fato os encarando. Sei que isso já foi feito em dezenas de outras capas de quadrinhos, mas devia ter ar de novidade em 1992, quando o game foi lançado. Os logos e informações legais todos corretamente posicionados, gostei também do logo da Marvel em cian, que criou um contraste legal com o vermelho dominante da ilustração. Trata-se de um conjunto que funcionou muito bem, quem não conhece o jogo pega a caixa e acha mesmo que tem um jogão em mãos.

Mas como sempre, o duro é quando o jogo de fato começa. Ao contrário de outros games da Acclaim no NES, Spider-Man ao menos é apresentável, com bons gráficos e sons, mas despenca feio nos demais quesitos. A começar pela programação, pois o jogo não rodava na mesma fluidez da maioria dos games de NES, era meio lento e parecia que rodava a menos quadros por segundo. O sistema de colisão não funcionava, pois Spidey atravessava os bandidos, sendo comum dar golpes neles e passar no vazio. Isso quando não tomávamos dano de obstáculos que que claramente foram desviados. Some isso a uma movimentação estranha, imprecisão de controles e um level design que varia do medíocre para o muito ruim, e temos uma experiência que se torna frustrante em pouco tempo. Por exemplo, é possível ficar completamente preso, a ponto de precisar resetar o game, caso você erre o caminho e fique sem flúido de teia, na fase do Sandman. Ou o horrível trecho da fase do vilão Mysterio em que para passar é preciso pegar um par de óculos, tornando a tela num vermelhidão que incomoda a vista.


Não foi dessa vez, Spidey

Spider-Man: Return of the Sinister Six não é um game injogável, até tem vários piores que ele no NES, mas é mais uma mostra da falta de talento e capricho do pessoal da LJ…digo Acclaim. Foi um potencial enorme disperdiçado, pois com um bom herói e seis vilões famosos uma produtora da categoria de uma Capcom ou Konami teria feito miséria. Considerando a época, até a Jaleco teria feito coisa melhor. O Spider-Man ainda ganhou uma versão com gráficos levemente melhorados para Master System e Game Gear, mas é só isso mesmo, um game ruim com bons gráficos. É verdade que a carreira do Aranha nos videogames nunca foi brilhante (longe disso, inclusive), com Return of the Sinister Six sendo mais uma tentativa que ficou pelo caminho. A capinha era muito boa, mas se fosse um gibi, seria uma história bem desenhada mas mal contada. Ainda bem que a Marvel não é a Acclaim das editoras.

André V.C Franco/AvcF – Loading Time.

9 thoughts on “Game Contraste: Spider-Man: Return of the Sinister Six (NES/Master System/Game Gear)

  1. Como assim o Homem-Aranha não teve uma carreira brilhante nos games?Em se tratando de games de super-heróis americanos,o Aranha foi o personagem que mais recebeu jogos de qualidade.Quem não se lembra dos dois ótimos jogos lançados para Playstation?O Nintendo 64 teve uma versão lançada do primeiro jogo,você deve ter jogado.Alías esses dois jogos foram um divisor de águas em relação a games baseado em quadrinhos.

  2. até q ultimate spider mand e web of shadows nao foram ruins…joguei so o ultimate…q é bacana(mas curto…curto como 1cm)

    pq vc zera o jgo com umas 15 missoes…dae so tem coisa chata e dificil pra fazer!!!

  3. O que esperar de uma divisão da Acclaim???
    Se não me engano a Flying Edge também era outra sub-divisão da Acclaim e também e só fazia merda….

    Avcf: concordo com o que disse sobre os jogos do Homem-Aranha não serem grande coisa…..o melhorzinho é o Separation Anxiety e Maximum Carnage…..pelo menos é mil vezes melhor que esse jogo da matéria….

    Ele foi melhor representado no arcade Marvel Super Heroes da Capcom….Ah, tem esse jogo pra Snes, só que é de side-scrolling e também é muito bom….só que não é um jogo solo, e sim de alguns personagens da Marvel reuinidos……novamente cortesia da CAPCOM…..XD

  4. Lembro claramente desse game. Dificil, toda hora bugava huahua, mas mesmo assim aluguei muito pq gostava do Cabeça de Teia huahua. Um game que merece Bad Trip, não game contraste, é o Pwer Rangers Lightspeed Rescue do N64. O que era aquilo????!?!?!?!?!?!?!?

  5. @Hely esse jogo que você se referiu é o Marvel super heroes: War of the gems, game muito bom mesmo, divertido d+ detonei várias vezes e nunca enjoei dele, persons grandes e animações fluentes no velho guerreiro SNES, não curto muito o cabeça de teia mas nesse jogo ele está até legal!! Me lembro que o game parecia de um 32-bit tamanha a qualidade!!! A Capcom quando capricha num game vira hit com certeza! Ah e joguei esse game na versão do Master e aparecia como Acclaim e não Ljn que deve aparecer na versão do NES eu acredito.

  6. Já eu curtia dois jogos do Homem-Aranha que saíram pro Mega Drive; o primeiro era aquele “primeirão” mesmo, o Spider Man VS. The Kingpin, e o outro era aquele Maximum Carnage, que tinha o Venom também prá se escolher e a jogabilidade era mais no estilo Final Fight?

    E vocês, o que acham desses dois jogos?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *