Por que a Nintendo ainda ama o GameCube?

Saudações aos leitores.

A essa altura vocês já devem ter lido alguma reportagem ou postagem de fórum dando conta do alarmante desempenho do Wii U em seus três primeiros meses. A depender da fonte da informação, mesmo que o enfoque possa ir desde a linha “omg! Nintendo is doomed” até “mas se olhar bem, o Wii U vendeu mais que o Wii em uma segunda-feira que choveu canivete”, a realidade é a mesma: o Wii U está mal das pernas e não encanta quase ninguém. Para mim, o principal motivo para isso é que a Nintendo ainda ama o Game Cube, e é aí que vem minha pergunta: por quê? Resposta para esse e outros questionamentos após o link.

Após clicar no link, talvez alguns leitores possam se perguntar “mas o que o Wii U e Game Cube tem em comum?” Pois eu digo que do que pude ver até agora do console, minha impressão é que a Nintendo quer mesmo resgatar o Game Cube. Antes de perguntar o porquê disso, minha primeira pergunta é por quê a Nintendo ama o Game Cube?

Símbolo do fracasso

Na minha opinião, o GameCube é fácil o pior console de mesa da Nintendo, e os argumentos para defender essa opnião são muitos. O primeiro e o mais óbvio e básico, é que o console foi rejeitado pelo mercado, amargando a lanterna da geração a qual fez parte e tendo os piores números de vendas que um console Nintendo já teve. E a causa desse fenômeno se deveu a vários fatores:

Design horrível: não foi à toa que o Gamecube recebeu diversos apelidos como “fogãozinho”, “forninho roxo”,”lunchbox” “LameCube” e por aí vai. Nennhum outro console da Nintendo jamais passou por isso, e justamente o design do GameCube foi o responsável por sacramentar a imagem de que consoles Nintendo são apenas para crianças.

Má fase criativa: a era Gamecube foi marcada por uma espécie de recessão criativa da Nintendo, cujo resultado foram alguns dos games mais fracos de suas principais séries. Super Mario Sunshine é o pior Mario 3D, os Mario Party pioravam a cada edição, Zelda Wind Waker foi uma brutal decepção, Mario Kart Double Dash era apenas razoável, Donkey Kong protagonizou toscos jogos com bongôs, os games Pokemon de mesa eram péssimos e por aí vai. Só Super Smash Bros.Melee que realmente foi um clássico (justamente é o jogo mais vendido do GameCube). E antes que perguntem por Metroid Prime, esse game foi feito interamente pela Retro, não pela Nintendo.

Biblioteca reduzida: apesar do número de jogos lançados para GameCube ser maior que o de Nintendo 64, a sensação é que há ainda menos games realmente bons para se jogar. O GameCube cansou de perder jogos para Xbox e PS2, sendo tão ruim quanto o Nintendo 64 nesse aspecto.

Apesar disso tudo, a Nintendo não só nunca admitiu publicamente o fracasso do GameCube como ainda por cima parece ainda hoje amar o console – e há algumas evidências que suportam essa hipótese. A primeira é o abandono do layout de Wii das caixas dos jogos para retornar à usada no GameCube. Vejam:

Além disso, o GameCube está sendo usado como base tanto o Wii U quanto para o 3DS, como mostram declarações de Miyamoto e Iwata. Segundo o presidente da Nintendo, a tecnologia de 3D estereoscópico presente no 3DS estava originalmente presente no GameCube – apenas não foi utilizada por questão de custo:

“GameCube also had circuitry for 3D compatibility, revealed Iwata. If attached to a special LCD screen, the system could display 3D images. Nintendo even had a functional 3D version of Luigi’s mansion. Due to the cost for the LCD screens, though, Nintendo decided that there was no market for the tech at the time.”

Embora o grande diferencial do Wii U, o Wii U Pad, pareça uma novidade para muitos e seja mostrado como um tablet, na realidade é uma nova versão disso:

Apesar do retumbante fracasso que foi na época, Miyamoto declarou que quer reviver a conectividade GC-GBA:

“I think it is very likely. I cannot tell specifically what ideas I used to have at the time which might be realized this time around. But as you might recall, at one of the E3 shows several years ago we showcased a game of Pac-Man Versus, which was a really interesting game. Unfortunately however it was rather hard for everyone to own four GBAs at the same time.”

“But at that time still it was not very easy or accepted. [Now, with Wii U], it’s not just creators outside the company are finding fascinating possibilities to be able to realize a game dream come true.”

Como se não bastasse isso tudo, Miyamoto ainda está trabalhando em Pikmin 3, cujos jogos anteriores de GameCube ninguém (além dos nintendistas mais fanáticos) se importou. E claro que não poderia deixar de notar o mais claro dos indícios da “gamecubização” do Wii U, o inútil remake do pior Zelda 3D lançado até hoje: Wind Waker:

Alguém pode me explicar qual o sentido em gastar dinheiro, tempo e recursos com um remake cuja demanda é próxima a zero? Quando vi o video desse remake pela primeira vez eu imadiatamente me lembrei daquela fatídica Nintendo Space World 2001 e da péssima reação ocorrida quando Wind Waker foi mostrado pela primeira vez. Doze anos depois, após vermos aquele trailer HD incrível do que seria um Zelda para Wii U, novamente recebemos o Link “Menina Super Poderosa” de Wind Waker.

Por fim…

Vejamos…Pikmin, Wind Waker, console de mesa com acessório com tela extra, box art com borda arredondada central…esse console é o GameCube, certo? Pois essa descrição na realidade é infelizmente a do Wii U. Embora não haja nenhum motivo plausível para tal, o fato é que a Nintendo jogou fora todo sucesso conquistado com o Wii e resolveu retroceder à infeliz fase do GameCube. Portanto, a ausência de um motivo lógico para tal me força a crer que a Nintendo simplesmente ama o GameCube, afinal não é preciso lógica para amar alguém ou algo, certo? Dessa forma fico a imaginar que caso o GameCube tivesse um desempenho alguma coisa superior ao que teve de fato, jamais veríamos o Wii, e que alguma coisa presente naquele aparelho impede Miyamoto, Iwata e cia de deixar de gostar daquela máquina. Consigo até imaginar a cena: “então pessoal, ganhamos uma grana legal, viramos líder e está tudo beleza. Que tal então a gente tentar fazer o GameCube dar certo de novo? A gente mantém a marca Wii, só pra pegar uns bobinhos e mostraremos ao mundo o que eles perderam por desprezar nosso querido Cube!”

O resultado não poderia ser outro, e o Wii U afunda nos gráficos de vendas e faz a Nintendo perder dinheiro como há muito não se via. Aliás, até jogos está perdendo, vide o caso recente envolvendo Rayman Origins. Em resumo, até o presente momento, o Wii U é um enorme fracasso, logo colocará a Nintendo em uma crise, caso alguma coisa seja feita. O duro é enquanto isso a Nintendo perde tempo com tolices do tipo “year of Luigi”:


Apenas um recado, Iwata: Luigi começa com L de loser.

AvcF – Loading Time.

85 thoughts on “Por que a Nintendo ainda ama o GameCube?

  1. A Nintendo e a melhor empresa de jogos que eu ja vi na vida eu ate sou fã dela.

    A SEGA EU NÃO GOSTO DELA PORQUE A NINTENDO FABRICA OS MELHORES JOGOS QUE EU JA VI NA MINHA VIDA

    1. eu pelo contrario dessa matéria eu amo o Game Cube se voce jogar o resident evil 4 é melhor do que no Ps2 eu acho um console charmoso e engraçado

    1. O Gamecube carregou a “maldição” que o Nintendo 64 causou, e como o Nintendo 64 já havia espantado praticamente todas as desenvolvedoras third-parties e também o público pra longe, o Nintendo Gamecube sofreu por isso 🙁
      Mesmo assim eu amo esses dois consoles *-*

  2. i returned of the future to say that “Super Mario Maker is a game very nice, very nice same and too because this game the Wii U got one number incredible of sells.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *