Recomendações rápidas: Mega Man games para 3DS

Saudações aos leitores.

Aproveitando que o último post do blog foi sobre o 3DS, resolvi falar sobre três games que ocuparam bom tempo no meu portátil: Mega Man 3, 4 e 5, originalmente lançados para o Game Boy clássico. Já que ainda ainda tem um restinho de janeiro e, creio eu, seja um período de férias para muita gente, por que não aproveitar jogando alguns clássicos? Pois bem, vamos lá.

Não é segredo para quem lê o blog (alguém ainda?) a consideração que tenho pela série Mega Man, sobretudo por suas vertentes clássicas como a série original e a X. Então, como já mencionei em um texto anterior, que assim que comprei meu Game Boy Pocket, um dos primeiros games que comprei foi justamente Mega Man (os outros foram KOF 95, Killer Instinct, Donkey Kong Land e Duck Tales 2).

Se por um lado o Game Boy era ligeiramente superior ao NES em processamento, por outro o portátil era limitado por sua resolução de tela de 160×144 pixels, número ainda mais modesto que os 256×240 pixels que o NES exibia. O resultado disso era que os ports vindos do console de mesa precisavam ser adaptados à menor área de visualização e menor espaço disponível para exibição de elementos presentes no Game Boy, o que ocasionava perdas. Com Mega Man não foi diferente, tornando o primeiro game uma versão mais limitada e simples do que havia nos dois primeiros Mega Man de NES. Além disso, a formula de misturar quatro chefes de cada capítulo derivou proavelmente da impossibilidade do Game Boy abrigar o menu com oito chefes em uma tela.

Felizmente a Capcom soube lidar bem com as limitações do Game Boy, fazendo com que a segunda edição portátil fosse superior à primeira. Mas foi na terceira edição que os Mega Man portáteis engrenaram de vez. Apartir de Mega Man III, os layouts das fases ganharam mais dinamismo, os mapas aumentaram de tamanho, o jogo ganhou um pouco mais de velocidade e até mesmo chefes intermediários não presentes na versão NES.

A Capcom continuou progredindo, e o jogo seguinte, Mega Man IV, saiu ainda melhor. O interessante aqui foi a criação do sistema de melhorias que podem ser compradas com parafusos recolhidos durante as fases, que virou padrão posteriormente nos games 7,8 e 9 para consoles de mesa. Além disso, o jogo também possui batalhas contra a base de Dr. Willy (que dessa vez termina se refugiando em uma nave espacial, ao invés do tradicional castelo), e conta com um chefe extra, o Ballade.

Por fim, temos Mega Man V, simplesmente o melhor Mega Man portátil. Incrível como esse jogo mostrou uma criatividade que estava completamente ausente das recentes (na época) versões 5 e 6 de NES. Afinal, aqui ao invés de misturar chefes, inimigos e tiles das versões de mesa com algumas coisas novas, a Capcom criou um jogo do zero para o Game Boy, com 8 chefes originais, novas armas e até um mascote novo, Tango the cat, desprezado nos games seguintes.

Considerando que cada jogo custa uns 3 Obamas, e a Capcom faz umas promoções de vez em quando, acho que Mega Man III, IV e V podem ser uma boa pedida. Considerando também que o 3DS não receberá mais tantos lançamentos (acho que seu sucessor pode ser anúnciado ainda esse ano, veremos), 3 games retrôs se mostram uma alternativa viável e barata para ocupar o tempo do portátil. Enfim, fica a dica.

Até a próxima.

AvcF – Loading Time.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *